O Eu diante da Motivação

O Eu diante da Motivação

…Toda Ação é Gerada por uma Motivação…

A Motivação é uma manifestação involuntária, não pode ser comandada.
A Ação é uma manifestação voluntária, pode ser comandada.
A Ação, em certas circunstâncias pode gerar uma Motivação.
Isto é, uma manifestação voluntária gerando uma manifestação involuntária.
Exemplo: Você dirigindo um carro com velocidade (voluntário), o carro da frente freia e capota, você sente medo (involuntário), exigindo de você uma Ação correspondente.

Quem conhece uma pessoa sem conhecer o Eu que está por trás dela, não conhece as idiossincrasias dessa pessoa.
Os estágios (mutações) de uma personalidade, descrevendo as instâncias do Eu, seus desejos, suas construções, seus amores, seus deslizes com estágios alternativos, ora superiores, ora inferiores, mostrando o vazio do se ficar (não mutante), ao sentir o se ir (mutante).

A natureza humana está constituída de três entes
a) – O Ser é o Fragmento da Energia Divina, que habita em
tudo, sem nenhuma discriminação.
b) – A Alma é a decodificadora das mensagens do Ser
para os cinco sentidos do Eu, e a coletora das experiências
vivenciadas pelo Eu.
c) – O Eu é a parte densa (física), que esta vivenciando no
plano físico as emoções dos cinco sentidos, como
instrumento de aprendizagem da Alma.
O Eu torna adulto aos dezesseis anos.
A Alma torna adulta aos vinte e um anos.
É no aprendizado do Eu que aparecem as cascas.
Na morte, o Eu é descartado, a Alma, torna foco da consciência o assumir as cascas geradas pelo Eu e segue para o Plano Transmutante (Kundalini), onde são processados estes focos de consciências, para se livrar dessas cascas e alcançar o Nirvana, onde ocorre a sublimação para manter o equilíbrio ponderado dos segmentos, emocional e mental, e assim, as Almas se livrarem das vivências emocionais na libertação, recebendo sabedoria na conscientização, até se purificarem e alcançarem o Plano Cósmico, onde irão transmutar suas Energias Transcendentais em Energias Cósmicas, se integrando ao Ser, para se tornarem Espíritos e retornarem à DeusYHWH, para um novo ciclo de vida cósmica.

Quando analisamos uma pessoa, devemos saber que:
Atrás daquela pessoa existe um Eu, que está submetido a sete fontes de influências atuando simultaneamente nela com as características diferentes;

1 – Um Ser, fragmento de DeusYHWH, orientando.
2 – A Energia de Agir, atuando no seu comportamento.
3 – As Energias dos hormônios motivando suas emoções.
4 – A voz da Razão procurando dar-lhe estruturas.
5 – As Manifestações Voluntárias cobrando suas ações.
6 – As Manifestações Involuntárias atuando sem avisar.
7 – A Lógica e a Crítica perseguindo suas decisões.

Vejamos as implicações que envolvem o Eu nos sete itens:
1 – O Ser, que está dentro de cada um, procurando
orientar e disciplinar o Eu, para que ele venha ter a
consciência da Unicidade, ou seja, tudo no Universo
está interligado, num Campo Unificado, uma estrutura única,
que é DeusYHWH, fora disso, é pura ilusão.

2 – A Energia de Agir, é uma motivação gerada no
Monólogo de prestações de contas da Alma ao Ser,
envolvendo a Ética e a Moral. Nestas prestações de
conta (Meditações ou momentos de Reflexões), em que
o Eu deve estar atento para conhecer o gradiente do
relacionamento Ser/Alma, no qual ele é parte e
compreender o sua função na Tríade, Ser/Alma/Eu.
.
3 – O somatório das Energias elaboradas pelos hormônios
das nossas glândulas endócrinas (supra-renais,
gônadas, pâncreas, timo, tireóide, pineal e hipófise),
gera uma Resultante, que atua no sistema nervoso,
estruturando os Eus em proporções de hormônios
diferentes, para que os Eus, sejam diferentes, com
emoções diferentes, criando motivações diferentes,
para os aprendizados nas vivências das emoções do
Mundo Físico, ganhando experiências para alcançar um
evolução psíquica.

4 – A Razão é a ferramenta, sem respaldo da lógica, que
os Intermediários (donos da verdade), usam para
doutrinar e estruturar os comportamentos dos Eus.

5 – As Manifestações Voluntárias são comandadas,
usando o Instinto de Observação do Eu, para cobrar
dele as decisões das alternativas de opções entre a
Lógica, a Razão (são diferentes), a Ética e a Moral.
Nota: A opção com objetivo de querer levar vantagem,
gera o egoísmo, que poderá trazer esperanças de
retornos imediatos ilusórios.

6 – As Manifestações Involuntárias não são comandadas,
são elas; a Energia de Agir (Ser) e a Resultante
(função das glândulas endócrinas), que dão motivações
independentes da vontade do Eu, mas, o Eu deve
ponderar as duas motivações para evitar surpresas e
assumir as conseqüências de seu comportamento..

7 – A Lógica e a Crítica são as ferramentas que o Eu
deve usar, para administrar com ponderação e
equilíbrio as seis influencias que agem sobre ele, (Eu).

Instinto de Observação é uma condição nativa de qualquer ser vivo, (o Eu), é mais desenvolvido no ser humano, pôr fazer registro na memória das experiências vivenciadas. É a única ferramenta que o Eu dispõe para vivenciar com consciência, dentro dos segmentos Lógicos, Éticos, Científicos, Espirituais e Filosóficos, os conteúdos simples, que o leva a desenvolver sua Estrutura Psíquica e sair da ignorância e aprender a arte de pensar sem medo, que é a chance que ele tem, para superar sua limitação psíquica, imposta pelo local onde vive, condição econômica e família (DNA). Fora do instinto de observação, dificilmente o Eu terá uma boa qualidade de vida e chances que possa lhe dar motivação, para sair do lugar comum e superar sua limitação, neste Plano Físico.
Se não desenvolver seu Instinto de Observação, seu nível de inteligência fica comprometido, ficando seus conceitos das “coisas que são verdadeiras e reais”, reduzidos.
O exercício do Instinto de Observação, é a busca do “auto conhecimento” do Eu através das vivências, com Ética, sem a conotação de querer levar vantagem em tudo (egoísmo).
O ser humano sem a consciência da partícula Divina (Ser), dentro de si, sua Alma perde a função de decodificadora das mensagens do Ser, seu Instinto de Observação desaparece, levando a viver somente, seguindo as motivações dos instintos emocionais, resultantes do somatório das energias dos hormônios gerados pela glândulas endócrinas, que lhe proporcionará emoções aleatórias, com níveis de motivações cada vez mais elevados, nessas condições irá desembocar num mundo imaginário aleatório de muitas vibrações sem controles. .

O reconhecimento dos limites de sabedoria, desperta o instinto de observação do Eu, provocando os disparos iônicos (elétricos) em determinada área do cérebro, condensando energia nos neurônios dessa área, motivando o cérebro, com energia de Insatisfatoriedade, a qual irá despertar no Eu, a motivação do se ir, disponibilizando o Eu, para buscar novos objetivos, em áreas desconhecidas, é assim, que aparece a inteligência
A Luta, a Defesa, a Vitória e a Violência são armas, quando usadas pelo Eu, leva-o ao desequilíbrio emocional, com tendência repressiva, o que causa à desarmonia e às vezes a neurose, já a compreensão em viver em harmonia com essas armas, leva à Fraternidade e ao Amor.
Reprimir nossos instintos e nossos prazeres, é lutar contra nós mesmos, essa luta mostra que, nem sequer amamos, nós mesmos, como poderemos amar nossos semelhantes?
Assim devemos procurar conhecer a nós mesmos e tentar compreender que:
O comportamento humano é na verdade, uma ação motivada pela ponderação da Energia de Agir (Ser), e pela Resultante. função dos caracteres genéticos do DNA e RNA (genoma).
A vontade da Consciência Cósmica, (Inteligência Intuitiva), está geralmente motivando a satisfazer uma necessidade involuntária, previamente programada. Acontece que a Consciência Física (inteligência comum) não tem acesso a essa vontade, por estar dentro de uma faixa limitada pelo Mundo Emocional (limitação Psíquica, visto acima), conforme o Nível do Estado de Consciência e do Estado psíquico de cada um, assim a motivação. pode levar a uma ação. que não vai satisfazer o objetivo previamente programado.

A Energia de Agir (Ser), procura motivar o Eu, aguçando seu instinto de observação, Intrínseco em todo Eu. Também a Resultante (das energias dos hormônios), procura motivar o Eu, pelas emoções vivenciadas pelos hormônios.
Cabe o Eu, ponderar estas duas motivações, e superar sua limitação psíquica, em busca de algo que ele precisa conhecer, se não for assim, estará sujeito às motivações aleatórias, mudando de objetivos, justificando seu procedimento, porque está usando o tal Livre Arbítrio.
Isso não é Livre Arbítrio, e sim, “decisões aleatórias de alternativas”.

O Eu se comunica, indiretamente com DeusYHWH, através do Ser, nas meditações e nas reflexões, apenas informando o resultado alcançado, por ele (Eu), individualmente, nas convivências com aquelas energias.
Já o relacionamento do Eu, só é possível com o Ser (partícula de DeusYHWH), através da Energia de Agir, emanada pelos símbolos emitidos pelo Ser, decodificados pela Alma, os quais possam ser assimilados, com compreensão, através dos cinco sentidos do Eu.
A Natureza não brinca em serviço, não joga dados e nem perdoa.
O Universo está em equilíbrio como está, se tentar fazer algo que O tire do equilíbrio, sofrerá as conseqüências.
Não podemos ajudar os outros, se fizermos por eles, aquilo que eles podem e devem fazer por eles próprios..
Ninguém pode nem deve:
Pagar por deslizes de outrem.
Sofrer “castigo” por “pecados” de outrem.
Morrer para que outro viva.
Morrer para que outros possam se livrarem dos seus erros ou
dos seus “pecados”.

Cada um é responsável pelo que é, tal é a Lei Universal.

Assim podemos compreender que todas as ações humanas, deveriam ser uma ponderação, das energias emanadas pelo Ser que habita nele e das Resultantes, das energias emanadas pelas glândulas endócrinas.
Se o Eu cumprir somente à orientação decodificada do Ser, alcançaria um patamar básico tranqüilo no se ficar e viveria condicionado em bom padrão de vida, mas estagnado. Para evitar a estagnação, a própria Natureza, criou as glândulas endócrinas, para produzirem hormônios com energias emocionais, cujo somatório, produzirá uma resultante, que dará motivação ao Eu para o se ir, buscando novas emoções no desconhecido, as quais possam lhe dar perspectivas para viver.
A falta de ponderação entre as mensagens decodificadas do Ser e a resultante leva o ser humano a extrapolar na busca de emoções cada vez mais intensa, seguindo somente a resultante, por serem mais vibrantes tais emoções, levando-o a cometer ações repudiadas pela sociedade e pela justiça, que o condena. Poucos conhecem o mecanismo do sistema. Uma vez seguindo as emoções hilariantes do se ir produzidas pela resultante, dificilmente o ser humano volta a seguir as orientações do Ser, decodificadas pela Alma, pois estas, já não produzem as motivações que possam satisfazer suas emoções.

Conclusões:
Qualquer ação humana é motivada por um destes 3 itens:

1 – A Energia de Agir (orientação do Ser que habita nele),
motivando a vida do Eu, ou
2 – A Resultante (das energias produzidas pelos hormônios
das glândulas endócrinas), motivando as emoções do Eu,
ou ainda.
3 – A ponderação destas duas motivações, alertando o Eu,
das responsabilidades de seu comportamento, com a ética
e a moral, para assegurar uma boa qualidade de vida..

Salvador – Julho – 2007/09
Charrir Kessin de Sales – OJÉNNA

Este post foi lido 289 vez(es).

Este post foi lido 289 vez(es).