Considerações sobre o Desenlace

Conotações sobre o Desenlace

12 – O Desenlace (morte) é uma sequencia natural que envolve a trajetória desse invólucro a Tríade (Ser Holotípico, Alma e Eu), para continuar a vida, em um Plano mais elevado, numa transmutação da nossa Energia Física.
Todos os seres vivos, sem nenhuma discriminação, são acontecimentos intrínsecos e sequenciais na Natureza, fenômenos resultantes das reações químicas, envolvendo a glicose e oxigênio, ionizando os gens de expressões com Energia de Agir, no auto controle dinâmico, conforme as Mitoses do DNA, codificadas pelo Ser Holotípico.
No desenlace, a Alma segue para o Plano Transcendental onde será processado este Foco de Consciência, eliminando as cascas (as religiões chamam de pecados), para encontrar o equilíbrio ponderado dos segmentos emocionais e mentais e receber um novo Eu, e assim sucessivamente, até que o Eu, ganhe sabedoria, aprimorando o mRNA, descartando os segmentos emocionais, se libertando das coisas materiais, se conscientizando dos segmentos mentais, para alcançar o Nirvana, onde ocorre a sublimação, não havendo mais o desenlace, o Eu e a Alma se unem, seguem para o Plano Cósmico, se integrando ao Ser, na transmutação tornando Espírito para retornar a DeusYHWH (o todo).
Cada segmento deverá ser vivenciado, com um comportamento ético e com dignidade, pois sempre, servirá de suporte para o segmento seguinte. Aqueles que têm comportamentos com padrões éticos elevados, dificilmente temem a Morte. O temor da morte é uma incoerência, pois ela é inevitável.
Porque não nos conscientizamos disso, procurando viver, mas ao mesmo tempo, nos preparando para morrer?
O que seria compreendido e a vida tornaria muito mais fácil e simples de ser vivenciada. Quando nascemos, renunciamos a eternidade, quando morremos recuperamos essa eternidade. Parece estranho, mas, não sabemos a razão, porque não temos pressa de recuperar essa eternidade, uma vez que, na eternidade, não existe nada que vá nos desagradar, a não ser as cascas geradas pelo Eu, que levamos deste Plano, as quais são de nossa responsabilidade, que somente cada um, pode e deve digeri-las sozinho.
Na eternidade não existe tempo nem espaço, somos livres para transitar em quaisquer dimensões sem limites, em Harmonia e sem problemas.
Aqueles que têm medo da Morte, não têm justificativas, pois para eles a morte é desconhecida. Como poderemos temer algo desconhecido? Essa atitude mostra muito apego às coisas materiais, isso nos leva a temer a Morte, não por ser a morte, mas o medo real é a perda dos bens materiais que são conhecidos e nos dão prazeres imediatos. No entanto, nunca refletimos o que a Natureza nos oferecerá do outro lado, que deverá ser um reflexo do que vivenciamos aqui, pois as vivências daqui, são sombras das nossas futuras vivência em outras dimensões. Todas as coisas da Natureza são boas, por que a Morte seria a exceção? Nós procuramos amar tudo que reflete a Natureza, por que também não procuramos amar a Morte? A Morte também é Natureza.
Para o ser humano que estiver bem estruturado dentro da ética, com auto disciplina, neste Plano, não há o que temer, e sim amar, compreenderá que, o Desenlace representa a transmutação da Energia Física que somos em Energia Divina, para poder retornar à origem, YHWH (nosso Deus) de onde viemos.

Salvador 24 de setembro de 2014

Charrir Kessin de Sales – OJÉNNA TextText

Este post foi lido 359 vez(es).

Este post foi lido 359 vez(es).