Relembrando o Filósofo Sócrates

Olá amigos leitores, eis-me de volta, desta vez, recordando Sócrates

Abraços …charrir

Recordamos o Filósofo Sócrates

Sócrates (469 – 399aC), Filósofo grego, de origem modesta.

Sócrates foi político na sua juventude, mas, com sua ética, não teve muitas chances, retirou-se da vida política, e passou a dedicar à Filosofia, com os objetivos voltados para as reflexões nos assuntos transcendentais envolvendo a natureza de tudo.

Sócrates admitia a existência de dois mundos;

1) – O mundo das idéias entendidas como invisíveis,

mas que são reais

2) – O mundo das coisas sensíveis, ou seja, um mundo

dos objetos e dos corpos.

Sócrates acreditava que a alma humana era eterna, também acreditava na reencarnação, dizia que depois da morte, a alma reencarnava-se em outro corpo.

Foi um Filósofo irônico, proclamado pelo Oráculo de Delphos,

“o mais sábios dos homens”.

Obs: Oráculos de Delphos era o lugar, onde os gregos enviavam as Leis escritas, para receber a aprovação Divina.

A partir daí, Sócrates, julgando-se responsável pela missão Divina, colocou em prática os dizeres do Oráculo de Delphos, ou seja, levar a todos à sabedoria, à virtude e à ética, que ele acabara de herdar.

Sócrates andava descalço, despojado de honrarias e expressando com simplicidade e austeridade, pregando que, dentro de nós, existe uma Energia de Agir, que ele denominou Daimon (na minha literatura é o Ser).

Xenócrates (395 -314aC), discípulo de Platão, mudou o Daimon (um espírito bom), por demônio (um espírito mau)….(sic)

Sócrates, persuadia os outros, propondo que cada um, antes de querer conhecer; Deus, a Natureza, os Fenômenos e as coisas, deveria primeiro, conhecer-se a si mesmo. Esse era um dos pontos que ele não concordava com a posição dos Sofistas (uma corrente filosófica mercenária da época, não tem nada a ver com a filosofia Sufista).

Ironicamente, fazia perguntas sobre as idéias, concepções dos valores, os quais, os gregos acreditavam e julgavam conhecer.

Sócrates, desenvolveu seu método, a Maiêutica, (arte de dar a luz às respostas), que consiste, nos questionamentos, não responder as perguntas, e sim, dar subsídios e parâmetros, para que o interlocutor, encontre dentro de si, as respostas de tudo que ele quer saber.

Foi um dos Filósofos que nos deixou exemplos, os quais, são referenciais até os dias de hoje.

Para Sócrates, sabedoria era conhecer-se a si mesmo, daí conhecerá seus próprios limites. O reconhecimento dos seus limites sabedoria, desperta o instinto de observação do indivíduo, em busca do desconhecido, é nisto que consiste o verdadeiro saber. Descoberto seus limites, os seres humanos podem buscar o auto-conhecimento.

A preocupação de Sócrates, foi enfocar o desenvolvimento da concepção da ética, como objetivo principal, do pensamento grego.

Sócrates, sabia que os líderes e os poderosos, tinham medo dos que pensam, pois a liderança e o poder são mais fortes, se os liderados e os subordinados não pensarem. Para os poderosos de Atenas, Sócrates, era um perigo, pois transmitia, principalmente aos jovens, a necessidade de pensar.

Sócrates, tornou-se influente, como formador de opinião, por isso os governantes passaram a ter receios de promulgarem Leis, dada o questionamento da juventude, que às vezes, eram obrigados a revogarem algumas Leis, por encontrarem resistências nos cumprimentos dessas Leis. Quase sempre eram grupos liderados por Sócrates. Os governantes, não tiveram outra alternativa, a não ser, acusarem Sócrates de desrespeitar os deuses, corromper os jovens e induzi-los a violarem as Leis. Sócrates foi preso, e condenado a beber cicuta (veneno). Os amigos deram muito apoio, inclusive, facilitando a fuga, mas ele, convicto de sua conduta e achando que no seu caso, a morte era mais nobre, que a fuga, preferiu a morte, a ter que renunciar a filosofia.

Sócrates não deixou nada escrito, tudo que sabemos sobre Ele, foi através das obras de Platão.

Comentários:

É lamentável que a ética de Sócrates, não seja assimilada pela maioria da humanidade, principalmente na área política.

A maiêutica, sendo a arte de parir respostas, é a melhor maneira que possamos ajudar aos nossos interlocutores a encontrar as respostas desejadas, dentro deles mesmos.

A Ironia nos diálogos desperta a criatividade nos interlocutores.

Conhecer-se a si mesmo, é realmente, a estrutura que todos devem ter, se quiser adquirir conhecimento.

Quanto mais sabemos, mais conscientes ficamos, que está aumentando o horizonte do que devemos aprender.

Charrir Kessin de Sales – OJÉNNA

Este post foi lido 322 vez(es).

Este post foi lido 322 vez(es).