A Lógica da Vida

A Lógica da Vida

O ser humano está inserido no contexto do Universo, sob uma estrutura bem definida, com pequeníssimas variações, seguindo uma sistemática cósmica, sobre a qual, ele deve refletir individualmente e tomar consciência que é sozinho, mas não está sozinho e saber que, somente dentro de cada um, poderemos encontrar as respostas, para estas três perguntas:
1 – De onde viemos
2 – Por que viemos
3 – Para onde vamos
Vamos analisar as respostas para as três perguntas.

De onde viemos?
Viemos da Essência Onisciente Absoluta da Energia Cósmica, DeusYHWH, como Ser holotípico, um fragmento Dele, sem forma definida e com Energia Genética (Fohah). Nascemos na transmutação da Energia Genética em Energia Vital (Prana), tornando-nos uma Tríade, Ser, Alma e Eu.

Por quê viemos?
Para vivermos como mutante, sem imitar ninguém, numa Tríade, Ser, Alma e Eu, seguindo um “script” (rota), na qual, a Tríade deverá alcançar com criatividade e competência, o arquétipo previsto por DeusYHWH. Este procedimento exige inteligências; intuitiva, indutiva e dedutiva, para colher as experiências complementares no desconhecido.
O Ser holotípico é o fragmento da Divindade, não interferindo
nas ações do Eu, e sim, interagindo nos efeitos provocados
por estas do Eu.
Como Seres somos partes de um campo energético
Espiritual Unificado que chamo de DeusYHWH.
A Alma é a decodificadora das mensagens do Ser.
Como Almas somos instrutores de nossos próprios
comportamentos.

O Eu vive as emoções das mensagens dos Seres,
decodificadas pelas Almas.
Como Eus somos os corpos físicos, instrumentos de
aprendizagem, ou seja, somos os personagens da
peça “a Vida”, encenada, no Micro Cosmo das realizações objetivas, no finito palco Terra, um dos infinitos palcos do Macro Cosmo das realizações subjetivas do imenso Teatro Universo, onde encontramos o desenrolar do espetáculo Vida:
DeusYHWH é o produtor
O Ser é o diretor
A Alma é o astro ou estrela.
O Eu é o personagem da peça.
O Eu deve se conscientizar da necessidade de uma convivência harmoniosa entre os três, a Tríade (Ser, Alma e Eu), para que Ele (Eu) possa interpretar corretamente o seu papel na sistemática da vida, que é viver como mutante, seguindo um “script” (rota), a qual a Tríade, tornará arquétipo previsto por DeusYHWH, comportamento este, que a inteligência comum não consegue alcançar, daí todos alardearem, que têm o tal Livre Arbítrio e terem que apanhar para aprender, isto quando conseguem aprender, pois muitos apanham..apanham, morrem sem aprender.
O Eu, como instrumento de aprendizagem, deve buscar com perseverança, a complementação da verdade no desconhecido, onde ele (Eu) possa vivenciá-la, dentro da lógica, da ética e da moral.
É a consciência da Unicidade
É quando iremos aprender a;
a) Pensar como DeusYHWH
b) Sentir como DeusYHWH
c) Agir como DeusYHWH

Para onde vamos?
Vamos retornar à DeusYHWH (de onde viemos).
Como?
Após Eu ter sido descartado (pelas experiências ou no desenlace), a Alma torna foco de consciência ao assumir as cascas geradas pelo Eu, segue para o Plano Transmutante (Kundalini), aonde são processados estes focos de consciências, até se livrar destas cascas e alcançar o Nirvana, onde ocorre a sublimação para manter o equilíbrio ponderado das experiências emocionais e mentais, e assim, a Alma se livrar das experiências emocionais, na libertação, e receber sabedoria na conscientização, até se purificar e alcançar o Plano Cósmico, onde numa transmutação da Energia Transcendental (Kundalini) em Energia Cósmica, a Alma se integra ao Ser, para ser Espírito e retornar à DeusYHWH, (é para onde vamos).

Aos dezesseis anos, o Eu, torna adulto e a Alma só torna adulta, aos 21 anos, ambos prontos para o aprendizado da vida, devendo o relacionamento na Tríade, entre o Ser, a Alma e o Eu, ser harmonioso, para haver equilíbrio e competência nas reformulações dos objetivos, no eterno vir a ser, eliminando as arestas, as cascas e seus agregados, usando sempre o Instinto de Observação, na perseverança, na ética e na moral, para colher experiências e usufruir uma boa qualidade de vida.
Para estar em harmonia com o Universo, é necessário acompanhar o relógio biológico e assimilar, em doses homeopáticas, a idéia de descartar o Eu, condição necessária para que a Alma se integre ao Ser, numa
transmutação da Energia Transcendental (Kundalini), em Energia Cósmica, tornando Espírito, pronto para retornar ao Todo, a origem DeusYHWH.
O Ser holotípico é parte sutil da estrutura do Universo.

A Alma, como decodificara das mensagens do Ser,
para que o Eu possa vivenciar, com os cinco sentidos
as experiências, torna-se a responsável pelos
registros das colheitas dessas experiências, durante
suas existências neste Plano físico.
A cada passo adquirido dos aprendizados, com a
Alma, o Eu toma consciência que está perdendo a
liberdade de fazer coisas que anteriormente considerava
ético, cedendo espaço para que a Alma cresça, na medida que
o Eu seja descartado, com isso, a Alma se aperfeiçoa e se
aproxima da Transmutação Energética para a integração com
o Ser, (Eu já descartado) tornando Espírito para retornar à
origem, à Essência Onisciente Absoluta da Energia Cósmica, a
Qual eu chamo de DeusYHWH.

A Energia da Vida
A Vida é uma Energia Eterna. A vida é a relação recíproca contínua com todas as outras vidas, em todos os Planos do Universo. Essa relação obedece uma inteligência onisciente, com Leis Cósmicas, as quais, não permitem, que a vida seja isolada desse relacionamento com outras vidas, até o desenlace (morte), não é capaz de separar uma vida dos entrelaçamentos das outras vidas, nos dando a visão plena de uma única vida no Universo, DeusYHWH.

Vejamos o que realmente deve ocorrer
A Alma como decodificadora das mensagens do Ser, tem o compromisso de fazer monólogos periódicos (prestar contas) com o Ser. Durante o monólogo da Alma com o Ser, o Eu deverá estar atento, para sentir o gradiente do relacionamento entre a Alma e o Ser. Esse monólogo gera uma Energia de Agir no Eu que estiver atento, ativando nele o Instinto de Observação, que é a única ferramenta que o ser humano recebe gratuitamente da Natureza, para superar seu limite neste Plano físico.
Infelizmente, a maioria não tem consciência do Ser holotípico que habita dentro de si, vive na dicotomia, ou seja, DeusYHWH tem representatividade fora e não dentro de cada um, o que leva, essa maioria, a não promover os monólogos da Alma com o Ser (reflexões ou meditações), tão necessários à qualidade de vida. Não havendo tais monólogos, o Eu não tem chance de ficar atento, não sofrerá influência da Energia de Agir e seu Instinto de Observação desaparece, o que leva essa maioria a viver somente, seguindo as resultantes dos somatórios das energias dos hormônios das glândulas endócrinas, por provocarem maiores emoções.

Resumindo
De onde viemos?
Viemos de DeusYHWH, como Ser holotípico (Mônada).
Tornamos uma Tríade, Ser, Alma e Eu.

Por quê viemos?
Para vivermos como mutante, vivenciando (sem imitação)
com criatividade, o arquétipo previsto por DeusYHWH,
numa Tríade harmoniosa.

Para onde vamos?
Vamos retornar à DeusYHWH, como Espírito, após ter:
1 – Vivenciado com criatividade o arquétipo Divino.
2 – Deixado registro de contribuição para a evolução do
Universo.
3 – Ter alcançado crédito para transmutar a Energia
Transcendental (Kundalini) em Energia Cósmica.

Nota:
Lembrando que não sou dono da verdade, não quero convencer ninguém do que escrevo e também não pretendo formar nenhuma religião, apenas relatando minhas conclusões, com muita Empatia sobre o assunto, após muitos anos de pesquisas, nestes meus 80 anos.

Salvador – agosto – 2007/09

Charrir Kessin de Sales – OJÉNNA

Este post foi lido 293 vez(es).

Este post foi lido 293 vez(es).